Contingências instrucionais em uma classe de educação infantil O que tem sido ensinado?

##plugins.themes.bootstrap3.article.main##

Caroline Vieira Pacheco
Claudia Daiane Batista Bettio
Andréia Schmidt

Resumo

O objetivo desta pesquisa foi descrever e caracterizar as contingências instrucionais ocorridas entre professoras e alunos pré-escolares (instruções das professoras; respostas evocadas nos alunos; consequências dispensadas e consistência dessas). Foram transcritas 10 filmagens de interações entre duas professoras e 23 alunos (média de 2 anos e 9 meses) de uma creche pública e, em seguida, os episódios instrucionais foram categorizados. A maioria das respostas verbais das professoras foram instruções (mais da metade “vocal”). Os alunos seguiram aproximadamente 70% das instruções e, em 91% dos casos, apresentaram desempenhos não verbais. As professoras consequenciaram esses desempenhos em esquema intermitente, o que foi suficiente para garantir o engajamento das crianças. Entretanto, a ausência de instruções com modelos e dicas visuais, a baixa frequência de correções e o alto índice de desempenhos corretos das crianças sugerem que as instruções solicitavam desempenhos conhecidos pelas crianças, havendo poucas oportunidades de aprendizagem de novo repertório.

Downloads

Não há dados estatísticos.

##plugins.themes.bootstrap3.article.details##

Como Citar
Pacheco, C. V., Bettio, C. D. B., & Schmidt, A. (2021). Contingências instrucionais em uma classe de educação infantil: O que tem sido ensinado?. Revista Brasileira De Terapia Comportamental E Cognitiva, 22(1). Recuperado de http://rbtcc.webhostusp.sti.usp.br/index.php/RBTCC/article/view/1450
Seção
Pesquisas originais