Comportamento distributivo, cooperação e diferenças de gênero: evidências a partir de experimentos com o Jogo Ditatorial

##plugins.themes.bootstrap3.article.main##

Saulo Barreto Cunha
Leonardo Rodrigues Sampaio
Guilherme Ribeiro Eulálio Cabral

Resumo

O objetivo deste trabalho foi avaliar se homens e mulheres diferem significativamente na forma como distribuem bens em um contexto de jogo ditatorial, após realização de um trabalho cooperativo, quando estão interagindo diretamente entre si (Estudo 1) e quando a interação é intermediada pelo pesquisador (Estudo 2). A tarefa experimental consistia na montagem de um quebra-cabeças e na posterior distribuição de fichas de vale-cópia, no modelo de um Jogo Ditatorial. 120 graduandos (80 no Estudo 1 e 40 no Estudo 2) foram organizados em três tipos de duplas: apenas homens, apenas mulheres ou mistas. A distribuição e a expectativa de receber fichas não foram influenciadas pelo sexo e, de forma geral, os participantes foram igualitários em todas as condições experimentais. Sugere-se que os participantes valorizaram o trabalho de seus parceiros e que tentaram recompensá-los, o que contribuiu para o igualitarismo e prosociabilidade, mesmo em um contexto de jogo ditatorial.

Downloads

Não há dados estatísticos.

##plugins.themes.bootstrap3.article.details##

Como Citar
Cunha, S. B., Sampaio, L. R., & Cabral, G. R. E. (2021). Comportamento distributivo, cooperação e diferenças de gênero: evidências a partir de experimentos com o Jogo Ditatorial. Revista Brasileira De Terapia Comportamental E Cognitiva, 23(1), 1-20. https://doi.org/10.31505/rbtcc.v23i1.1528
Seção
Seção Especial: Análise do Comp., Teoria dos Jogos e Economia Comportamental
Biografia do Autor

Saulo Barreto Cunha, Faculdade Maurício de Nassau

Mestre em Psicologia pela Universidade Federal do Vale do São Francisco - Univasf. 

Leonardo Rodrigues Sampaio, Universidade Federal do Vale do São Francisco

Doutor em Psicologia Cognitiva (UFPE), professor Associado no Colegiado de Psicologia da Univasf e coordenador do Laboratório de Desenvolvimento-Aprendizagem e Processos Psicossociais (LDAPP).

Guilherme Ribeiro Eulálio Cabral, Universidade Federal do Vale do São Francisco

Doutor em Psicologia Cogntiva pela Universidade Federal de Pernambuco (UFPE).